Tratamentos › Ozonioterapia em Medicina da dor

Ozonioterapia em Medicina da dor

Indicações principais:

Aparelho Locomotor

Artrose, artrite reumatóide e outras artrites auto-imunes, bursites, sinovites, fasciítes, tendinites, tendinoses estenosantes, fibromialgia, mialgias, hérnia de disco1e radiculopatias compressivas, síndrome do canal estreito, síndrome do túnel do carpo e outras neuropatias periféricas compressivas, tratamento local de processos sépticos, síndromes miofasciais, condromalácias, desordens dos ombros, desordens dos joelhos, com ou sem alterações ósseas,ponto gatilho doloroso.

Neurologia
Geriatria cansaço, fadiga crônica, disfunção cognitiva senil e outros estados demenciais, movimentos anormais, cefaléia vascular, cefaléia em salvas, depressão.

Mecanismos de Ação do Ozônio
Ação do ozônio nas doenças articulares- mecanismos segundo Bocci (1998):
Quando o ozônio se dissolve no liquido sinovial, reage com proteínas livre, enzimas, proteoglicanos e condrócitos, podendo produzir.

a) Inativação e inibição da liberação de enzimas proteolíticas e de radicais livres endógenos;
b) Estimulação da produção de condrócitos e fibroblastos, com aumento da síntese de matriz e possivelmente da cartilagem articular;
c) Indução da síntese de enzimas antioxidantes (SOD, GSH-Pxs, e catalase) com resposta adaptativa ao stress oxidativo crônico (e ao ozônio). Inibição da liberação de bradicinina e da sintese de prostaglandinas inflamatórias, com reabsorção do edema e alivio da dor;
e) Um aumento da liberação do receptor solúvel da IL-1, ou de outros receptores solúveis e antagonistas capazes de neutralizar IL-1, IL-8, IL-12, IL-15, e TNF alfa (fator de necrose tumoral alfa), todos possiveis culpados;
f) Liberação de citocinas imunossupressoras como TGF-beta 1 e IL-10, que podem inibir a inflamação (Free Radic Biol Med 1998);
g) TGF-beta 1 modula a expressão de integrinas e estimula a sintese de matrizes proteicas, como colágeno e glicoaminoclicanos, explicando o longo periodo de remissão das dores.

Fisiopatologia das artralgias
• Adelgaçamento ou destruição da cartilagem articular;
• Aumento na degradação da matriz cartilaginosa devido às colagenases e proteoglicanases;
• Aumento significativo na produção de prostaglandinas, IL-1 e TNF.

Ação do Ozônio nas Artralgias
• Inibição na liberação de enzimas proteolíticas;
• Estimulação da proliferação de de condrócitos e fibroblastos com aumento na síntese de matriz.

Cartilaginosa
• Inibição na liberação de bradicinina e prostaglandina inflamatória;
• Liberação de citocinas imunossupressivas como TGF-?1 e IL-10.

Hérnia de Disco Lombar
• 2.200 pacientes com dor lombar baixa ou ciática por hérnia discal tratados com injeção intraforaminal de ozônio. Não se observaram para-efeitos, com sucesso em 80% dos pacientes acompanhados durante 5 meses. (J Neuroradiol. 2004);
• Dois grupos de pacientes com hérnia discal lombar, um recebendo ozonioterapia isolada injetada intradiscal e pré ganglionar(300) e outro grupo com solução de corticóide + Anestésico local associada, injetada periganglionar(300).O grupo ozônio + corticóide obteve 78% de melhora, contra 70% do grupo ozônio isolado. (AJNR Am J Neuroradiol 2003);
• Técnica indireta no tratamento das mialgias lombares secundarias;
• Os pontos são correspondentes aos metâmeros da hérnia discal (Bocci 1998).

Efeito da Ozonioterapia na Oxigenação Muscular
• Produz stress oxidativo transitório, compensado com formação de antioxidantes sanguíneos (upregulation)-(Bocci, 1996; Leon et al. 1998);
• A liberação de substâncias como adenosina, oxido nítrico e prostaglandinas podem atuar sobre a microcirculação, levando a diminuição da resistência vascular (Giuntta et all 2001);
• Músculos mal oxigenados, tem aumento em até 50% no pO2 muscular, mantido até 48 Hs após (Clavo et all 2003)
Doenças Reumáticas;
• Degeneração cartilaginosa e erosão do osso justa-articular parece dever-se principalmente a presença de TNF?(Feldman 2001);
• O ozônio provoca um aumento do fluxo de O2 nas regiões inflamadas e oxidação de mediadores algogênicos(Riva Sanseverino. 1989);
• O ozonio, através de seus metabólitos – ROS e LOPs – ativam a enzima superóxido dismutase e catalase, que são antioxidantes endógenos, varredores de radicais superoxidos presentes em processos inflamatórios crônicos e também responsáveis pelos danos teciduais.

Protocolo de Aplicação (Soc. Italiana de Oxigeno-Ozonioterapia):

Indicação:
Hérnia de disco lombar

Setting:

Ambulatorial

Modalidades

Uma ou duas aplicações semanais, por via intramuscular nos pontos simétricos das massas musculares paravertebrais proximais à localização da hérnia, de oxigênio-ozônio medicinal contendo 10~20 μg/ml de ozônio, em quantidade de ca. 10 cc por ponto, para um total de e 4~10 aplicações em um período de 2~5 semanas.

Critérios de exclusão:

intervenção cirúrgica inadiável; presença de hérnia discal definida como “madura” ou “calcificada” ou de estenose pura (exceto os conflitos disco-radiculares);gravidez confirmada ou suspeitada; hipertensão arterial grave descompensada ou outras patologias cardiovasculares graves descompensadas; patologias infecciosas graves; insuficiência renal ou hepática grave; infarto do miocárdio recente; alterações graves e permanentes do metabolismo, em particular diabetes e dislipidemias, mesmo compensadas; anamnese de abuso de álcool, psicofármacos, narcóticos; incapacidade para emitir consentimento informado.

Observações recomendadas:

TAC (antes da aplicação, após pelo menos 6 semanas da última aplicação); emprego, dose e posologia de antiflogístico, de eventual miorelaxante, de esteróide oral ou local, de complexo vitamínico B empregados no controle da sintomatologia da hérnia de disco; intensidade e localização da dor obstrutiva; funcionalidade pelo teste de Lasègue; grau de alteração de sensibilidade táctil, reflexos, dor local espontânea e provocada; sinais vitais (pressão arterial sistólica e diastólica, freqüência cardíaca); reações adversas gerais e locais, inclusive aquelas esperadas, como sensação de queimação ou dor no local da aplicação.

Precauções especiais:

conduzir a injeção de oxigênio-ozônio sob anestesia geral ou local, como preferível, para cada paciente, tomando as precauções usuais; manter o paciente em repouso, após a injeção, por pelo menos 10~15 minutos, na mesma posição.

Voltar para Tratamentos