Blog

(Blog) Doenças

Postado em 30 de Julho de 2015 às 22h32

O que é Lordose?

Doenças (14)
Centro de Coluna Chapecó/SC Lordose é um transtorno definido por uma curvatura excessiva da coluna para dentro. Ela difere das curvas normais da coluna nas regiões cervical, torácica e lombar, as quais são, até...

Lordose é um transtorno definido por uma curvatura excessiva da coluna para dentro. Ela difere das curvas normais da coluna nas regiões cervical, torácica e lombar, as quais são, até um certo grau, cifóticas ou lordóticas. As curvas naturais da coluna posicionam a cabeça acima da pelve e trabalham como amortecedores de choque para distribuir o stress mecânico durante o movimento.

A lordose pode ser encontrada em todas as faixas etárias. Ela afeta principalmente a coluna lombar, mas também ocorre no pescoço (cervical). Quando na coluna lombar, o paciente pode parecer excessivamente curvado nas costas, com a região das nádegas mais proeminente, com uma postura em geral exagerada. A lordose lombar pode ser dolorida e algumas vezes afeta o movimento.

Fatores que contribuem para isso

Certos processos de enfermidades podem afetar de modo negativo à integridade estrutural da coluna, contribuindo para a lordose. Algumas causas comuns incluem acondroplasia, discíte, cifose, obesidade, osteoporose e espondilolistése.

*Acondroplasia é um transtorno de crescimento ósseo de herança genética que pode causar um tipo de nanismo.

*Discíte é a inflamação do espaço intervertebral dos discos.

*Cifose (por ex., a corcunda) pode forçar a parte inferior das costas para compensar uma falta de equilíbrio criada por uma curvatura ocorrida em um nível mais elevado da coluna (por ex., na região torácica).

*Obesidade pode fazer com que algumas pessoas que estejam com sobrepeso se inclinem para trás para melhorar o equilíbrio. Isso causa um impacto negativo na postura.

*Osteoporose é um distúrbio na densidade óssea que pode causar perda de força das vértebras, comprometendo a integridade estrutural da coluna.

*Espondilolistese ocorre quando uma vértebra escorrega para frente em relação a uma vértebra adjacente, geralmente na coluna lombar.

Nem toda a lordose necessita de tratamento médico. Porém, quando a curva é rígida (fixa), uma avaliação médica se faz necessária.

Diagnóstico e Tratamento

Etapas de Diagnóstico

*Exame Físico

Um exame físico completo revela muito sobre a saúde e condições físicas do paciente. O médico desejará saber quando a curvatura foi notada pela primeira vez, a progressão no passado e outros sintomas relativos observados pelo paciente. O exame proporciona uma base a partir da qual o médico pode medir a evolução do paciente durante o tratamento. O exame físico pode incluir:

1. Manipulação, para determinar anormalidades na coluna pelo toque.
2. Alcance do movimento, para medir o grau de extensão que o paciente consegue alcançar com relação a movimentos de flexão, extensão, curvatura lateral e rotação da coluna. A assimetria também é observada.

*Avaliação Neurológica

A avaliação neurológica inclui uma análise dos seguintes sintomas: dor, adormecimento, parestesia (por ex., zumbido), sensação nas extremidades e função motora, espasmo muscular, fraqueza e alterações nos intestinos/bexiga.

*Exame Radiográfico (Raio X da coluna)
O paciente fica em pé para expor toda a extensão da coluna para realizar o exame de raios-x em PA (posterior/anterior, ou frente e costas) e Lateral. Algumas vezes são utilizados raios-x de curvatura lateral AP para avaliar a flexibilidade da coluna. Pode ser solicitada uma ressonância magnética se a medula espinhal estiver comprometida (ou se houver suspeita).

Além disso, o Método do Ângulo de Cobb pode ser utilizado para medir a curva da lordose em graus, através de um exame de raios-x AP panorâmico padrão.

Tratamento Não-Cirúrgico

As medidas do tratamento conservador não cirúrgico incluem:
1. Medicamentos analgésicos e antiinflamatórios.
2. Fisioterapia para permitir que o paciente desenvolva força, flexibilidade e aumente o alcance do movimento. O terapeuta pode indicar um programa de exercícios personalizado para ser realizado em casa.
3. Coletes podem ser usados para controlar a evolução da curva em adolescentes.
4. Redução do peso corporal ao nível ideal.
5. A cirurgia pode ser indicada se a curva lordótica for grave com envolvimento neurológico.

Cirurgia da Coluna

A intervenção cirúrgica é indicada se a curva lordótica for grave, quando existe envolvimento neurológico, ou se o tratamento conservador não-cirúrgico não foi satisfatório para proporcionar um alívio. Um cirurgião da coluna decide qual procedimento cirúrgico e qual abordagem (anterior/posterior, frente ou costas) será melhor para o paciente. Suas decisões são baseadas no histórico médico do paciente, sintomas e achados radiográficos. São utilizadas diversas opções de tratamentos cirúrgicos. Você deve discutir o que é melhor para sua condição com seu cirurgião.

Recuperação

Seja o tratamento conservador ou cirúrgico, é importante seguir fielmente as instruções do médico ou do fisiatra. Discuta suas preocupações sobre restrições de atividades. Eles poderão sugerir alternativas seguras. A fisioterapia pode ser incorporada no plano de tratamento para desenvolver força, flexibilidade e aumentar o alcance do movimento. O terapeuta pode fornecer ao paciente um programa personalizado de exercícios para casa. Se o paciente realizar uma cirurgia de coluna, serão fornecidas instruções por escrito e prescrição dos medicamentos necessários antes dele sair do hospital. O cuidado com o paciente continua durante as visitas de acompanhamento com o seu cirurgião.


Postado em 30 de Julho de 2015 às 22h30

Fatores Ligados à dor

Doenças (14)
Centro de Coluna Chapecó/SC DOR TOTAL ANSIEDADE • Medo do hospital • Medo de sofrer • Medo de morrer • Incertezas econômicas CÓLERA • Problemas administrativos •...

DOR TOTAL

ANSIEDADE

• Medo do hospital
• Medo de sofrer
• Medo de morrer
• Incertezas econômicas

CÓLERA

• Problemas administrativos
• Diagnóstico incerto
• Relação médico-paciente
• Fracassos Terapêuticos

DOR SOMÁTICA

• Câncer
• Lesões iatrogênicas
• Patologias pré-existentes

DEPRESSÃO

• Perda da posição social
• Perda da posição familiar
• Fadiga e insônia
• Sensação de abandono
• Modificação corporal


Postado em 30 de Julho de 2015 às 22h28

Informações Preventivas e Ergonômicas

Doenças (14)
Centro de Coluna Chapecó/SC OS 23 MANDAMENTOS DA COLUNA. 1-Exercícios para conservar os limites de movimentos mais fáceis e indolores e um bom tonus muscular. 2-Quando sentado usar suporte lombar e reclinar o encosto, quando...

OS 23 MANDAMENTOS DA COLUNA.

1-Exercícios para conservar os limites de movimentos mais fáceis e indolores e um bom tonus muscular.
2-Quando sentado usar suporte lombar e reclinar o encosto, quando possível.
3-Usar uma cadeira com suporte de braço, quando possível.
4-Quando sentado se movimentar com o banco.Evitar levantar frequentemente.
5-Determinar se a posição fletida( inclinada para frente) ou extendida( inclinada para trás) é melhor para você.Usualmente a posição erecta ou ligeiramente fletida é a escolhida.
6-Usar esta posição caminhando, em pé, sentado e deitado.
7-Quando deitado, durante dor severa, fletir os quadris( junta das coxas) em 90 graus.
8-Tente dormir , no chão, encima de três cobertores durante dor severa.
9-Use uma cama reta e firme.
10-Levantar o peso não curvando a coluna e sim fazendo força com as pernas, e o peso sempre próximo do corpo.
11-Desenvolver a musculatura do tronco fazendo exercícios para as costas e abdomen.Caminhar é um excelente exercício.
12-Cuidado ao abrir e fechar janela.
13-Evitar súbitos aumentos de peso quando levantando ou carregando.
14-Evitar levantar muito peso e atividades maiores.
15-Nadar é geralmente um excelente exercício tanto na fase aguda da dor e na crônica.
16-Evitar obesidade.
17-Sentar na borda da cama ou da mesa para facilitar a troca de roupa.
18-Evitar atividades que provocam dor.
19-Quando em pé, por longo período de tempo, eleve um dos membros em um suporte.
20-Faça amor de lado quando estiver com muito desconforto lombar.
21-Evitar movimentos de flexão e rotação, da coluna, ao mesmo tempo.
22-Contra-indicado viagens longas.
23-Sempre empurrar os objetos e nunca puxar.


Postado em 30 de Julho de 2015 às 22h27

Osteoporose

Doenças (14)
Centro de Coluna Chapecó/SC 1) Seguir uma dieta apropriada, prevendo um aporte de 800 a 1.500 mg de cálcio ao dia. 2) Exposição ao sol em horários adequados: até 11 horas da manhã e depois das 16...

1) Seguir uma dieta apropriada, prevendo um aporte de 800 a 1.500 mg de cálcio ao dia.
2) Exposição ao sol em horários adequados: até 11 horas da manhã e depois das 16 horas.
3) Praticar exercícios físicos de forma moderada (caminhadas, bicicleta, e ginástica).
4) Evitar os fatores de risco, tais como: fumo, álcool e sedentarismo.
5) Evitar ficar muito tempo na cama ou sentado.
6) Evitar flexionar o tronco para frente (movimento perigoso, pois pode provocar com facilidade a fratura da vértebra lombar).
7) Evitar andar por terreno acidentado e/ou escorregadio para prevenir quedas e acidentes.
8) Não utilizar tapete na beira da cama e evitar encerar o chão para prevenir quedas.
9) Não utilizar chinelos largos ou sapatos com solados lisos.
10) Utilizar tapetes de borracha no banheiro.
11) Exercitar rotineiramente as musculaturas abdominais, dorsais lombares.
12) Fazer caminhadas durante 1 a 2 horas ao dia e exercícios de 15 a 20 minutos, usando calçados confortável e com solado de borracha. 


Postado em 30 de Julho de 2015 às 22h25

Ler ( Lesão esforço repetitivo)

Doenças (14)
Centro de Coluna Chapecó/SC Tudo o que você nunca soube sobre uma doença que ainda não conhece, mas pode ter. O que é LER? As lesões por esforços repetitivos, conhecidas no Brasil como LER,...

Tudo o que você nunca soube sobre uma doença que ainda não conhece, mas pode ter.

O que é LER?

As lesões por esforços repetitivos, conhecidas no Brasil como LER, são produzidas por um conjunto de situações que dependem da organização do trabalho( causas externas ) e das condições físicas e emocionais das pessoas (causas internas, ralacionadas com o tipo de personalidade e de estrutura física de cada um). Somente quando ambos os fatores ( externos e internos) se juntam é que o risco de sofrer LER aumenta.
As LER provocam dor porque são acompanhadas por inflamações que se localizam nos tendões, nos músculos e nervos do pescoço, das costas, dos ombros, dos braços, punhos e mãos, de pessoas cujo trabalho exija movimentação repetitiva dos braços e das mãos, posturas incorretas e , mais frequentemente, a associação de ambas.

Quem pode desenvolver a LER?

As LER não atingem somente os digitadores, os caixas de banco e os trabalhadores das linhas de montagem. Ela existe entre os artistas( músicos, bailarinos, pintores), entre os atletas (vôlei , tênis, natação), entre os profissionais liberais (dentistas , arquitetos). Enfim, elas podem ocorrem com qualquer pessoa que execute atividades físicas, ou seja, com qualquer pessoa que trabalha em situação constante e repetitiva.

Quais são as causas da LER?

Todos nós temos um limite de capacidade para suportar os esforços físicos e as ameaças que a vida nos apresenta e, muito frequentemente, esses limites são ultrapassados, seja no que diz respeito à realização de esforços físicos, seja quanto à intensidade e duração de ameaças que o trabalho apresenta. Vamos imaginar uma pessoa que começa a trabalhar como caixa de banco ou, em uma linha de montagem de componentes eletrônicos ou ainda, como operadora de central de telefonia. O trabalho das funções acima mencionados e em uma série de outras, requer alguns pré-requisitos pessoais importantes:

1) Boa resistência da musculatura do pescoço, dos ombros e das costas.

2) Manutenção de postura adequada.

3) Condicionamento físico para suportar trabalho estático do pescoço e das costas e, ao mesmo tempo, resistência para a manutenção prolongada de movimentos dos ombros e das mãos.

4) Estabilidade mecânica da principais articulações ( ombro, cotovelo, punho e dedos ).

5) Condições emocionais favoráveis( ausência de problemas familiares sérios, necessidades pessoais básicas realizadas ou percebidas como realizáveis e gostar do trabalho que está desenvolvendo).

A maioria das pessoas raramente estão preparadas física e emocionalmente para os esforços e as pressões da vida moderna, propiciando uma condição favorável ao surgimento das LER. Se você se enquadra no exemplo que apresentamos, não se assuste e não se desespere.

Como eu descubro se tenho a LER?

1) Procure se informar com um médico sobre o que são as LER e diagnosticar com segurança se você tem de fato algum tipo de LER.

2) Não se apavore se começar a sentir dor no ombro ou no punho, depois de um dia muito intenso de trabalho. O cansaço que normalmente acompanha tal situação desaparece com repouso adequado.

LER – Comece a cuidar. Procure o seu médico.

Se você passa o dia inteiro fazendo os mesmos movimentos, comece a mudar. Mexa-se, saia da rotina, evite a mesmice. Procure o seu médico. Comece a combater a LER, lendo este folheto.


Postado em 30 de Julho de 2015 às 22h24

Hérnia de Disco

Doenças (14)
Centro de Coluna Chapecó/SC A coluna vertebral possui 33 vértebras e 23 discos. O disco está situado entre cada vértebra e servem para amortecer os choques e permitir mobilidade da mesma. O disco é...

A coluna vertebral possui 33 vértebras e 23 discos. O disco está situado entre cada vértebra e servem para amortecer os choques e permitir mobilidade da mesma.

O disco é constituído de 2 partes: Uma parte externa que imita as lonas de um pneu e uma porção central macia que é chamado de núcleo.

A ruptura da porção externa do anel permite um vazamento do núcleo dentro do canal vertebral causando pressão na medula ou raízes nervosas no nível correspondente. Isto é chamado de hérnia de disco que podem ocorrer ao nível de coluna cervical, torácico e mais comumente em região lombar.

Causas: Podem ter várias causas como traumatismos, má postura, envelhecimento natural e fatores genéticos.

Sinais e Sintomas: Dor lombar ou cervical acompanhado ou não de irradiação
para membros superiores e ou inferiores podendo ocorrer
perda da força e sensibilidade. Em casos mais avanças pode
haver perda do controle urinário e das fezes.

Tratamento: Depende da severidade dos sintomas. Mais ou menos em 80% dos casos podemos tratar 


Postado em 30 de Julho de 2015 às 22h23

Fribromialgia

Doenças (14)
Centro de Coluna Chapecó/SC O que é fibromialgia ? A síndrome de fibromialgia é uma forma de freqüente de dores musculares e cansaço que afeta aproximadamente 3,7 milhões de americanos (1998). No Brasil...

O que é fibromialgia ?
A síndrome de fibromialgia é uma forma de freqüente de dores musculares e cansaço que afeta aproximadamente 3,7 milhões de americanos (1998). No Brasil ainda não existe levantamento oficial, mas estima-se que 5% da população possa devolver esta síndrome.
O nome FIBROMIALGIA significa dores nos músculos e tecidos conectivos fibrosos ( ligamentos e tendões). Esta condição é considerada uma síndrome porque abrange um conjunto de sinais e sintomas que podem ocorrer simultaneamente em diferentes doenças. OS SINAIS se referem aos achados físicos que o médico encontra quando examina o paciente, enquanto que os SINTOMAS se relacionam às queixas relatadas durante a entrevista. Fibromialgia é freqüentemente confundida e pouco entendida já que vários de seus sintomas podem ser encontrados em outras patologias. O termo fibrosite foi usado para descrever esta mesma condição. Itis significa inflamação um processo que pode desencadear dor, calor, inchaço, vermelhão e rigidez. Como os investigadores descobriram que a inflamação não é um fator importante nessa condição, o termo fibromialgia tornou-se mais correto e substitui o velho termo fibrosite.
Fibromialgia afeta principalmente músculos e seus locais de fixação nos ossos. Embora se manifeste como doença articular, ela não é inflamatória (artrite) e não causa deformidade nas juntas.
Fibromialgia é, ao invés, uma forma de reumatismo de tecidos moles ou muscular. A palavra reumatismo se refere a dor e rigidez associadas às juntas, músculos e ossos.
A síndrome de fibromialgia não apresenta alteração laboratoriais. Por isso, seu diagnóstico depende principalmente das queixas ou sensações que o paciente relata. Algumas pessoas podem olhar estes sintomas como imaginários ou desprezíveis. Durante os últimos 10 anos, entretanto, a fibromialgia tem sido melhor definida através de estudos que estabeleceram regras para seu diagnóstico. Esses estudos demostram que certos sintomas como dores musculares generalizadas e pontos dolorosos específicos estão presentes em pessoas com fibromialgia e que não são comuns em pessoas sadias e com outros tipos de reumatismo. Esses aspectos separam a fibromialgia de outras condições que se apresentam com dores ósseas e musculares crônicas.

Sintomas e sinais

Dor:
A dor é o sintoma mais importante na fibromialgia. Ela geralmente é sentida em todo corpo, embora possa começar em uma região, como pescoço ou ombro, e se espalhar para outras áreas após algum tempo. A dor em fibromialgia tem sido descrita de várias maneiras, dentre as quais ardência, incômodo, rigidez e fisgada. Geralmente varia com a hora do dia, tipo de atividade, clima, padrão de sono e estresse. A maioria das pessoas com fibromialgia dizem que sempre sentem um pouco de dor. Elas sentem dor principalmente nos músculos e dizem ter a sensação de como se estivesse constantemente gripadas. Para algumas pessoas com fibromialgia, a dor pode ser severa.
Embora o exame físico geral seja usualmente normal e essas pessoas pareçam sadias, um exame cuidadoso de seus músculos revela áreas bastante sensíveis em determinados locais. A presença e padrão desses característicos pontos sensíveis com sintomatologia de dor distingue a fibromialgia de outras condições.
Nem todos os médicos estão familiarizados com essa síndrome, mas a maioria dos reumatologistas sabem como avaliar um ponto dolorido e relacioná- lo ao diagnóstico.
As áreas doloridas na fibromialgia são similares em localização às áreas de outros tipos comuns como cotovelo de tenista, bursite trocanteriana, etc. Os pontos doloridos da fibromialgia tendem a estar presentes em ambos os lados e em diferentes locais. Embora os pontos sejam usados para diagnóstico, muitos outros pontos musculares e de tecidos moles podem ser excessivamente sensíveis. Você pode não estar ciente da exata localização desses pontos sensíveis até o momento em que eles sejam específicamente pesquisados durante exame médico.

Fadiga e Distúrbio do sono

Cerca de 90% das pessoas com fibromialgia sentem uma fadigade moderada a severa, com perda da energia, diminuição da resistência aos exercícios, ou um cansaço semelhante àquele resultante de uma gripe ou perda de sono. Algumas vezes a fadiga é um problema maior do que a dor. Pessoas com fibromialgia podem Ter uma fadiga semelhante `a de outra condição chamada Síndrome da Fadiga Crônica (SFC). Algumas pessoas com fibromialgia têm sintomas de SFC. E vice - versa. Por exemplo, muitas pessoas com SFC Têm pontos sensíveis e sintomas semelhantes aos daqueles com fibromialgia. Pelo fato de existir uma superposição entre essas duas síndromes comuns, às vezes não é possível separar essas duas condições. Um médico pode dar um diagnóstico de fibromialgia enquanto outro pode chamar a mesma condição de síndrome da fadiga crônica . Muitas pessoas com fibromialgia experimentam um distúrbio do sono, em que elas não acordam aliviadas mas sentindo - se cansadas. Embora você possa ser capaz de ficar acordado sem grandes dificuldades, o estágio de sono profundo pode estar interrompido. Você pode dormir superficialmente e acordar durante a noite. Outro distúrbio do sono, incluindo apnéia, mioclonia, e síndrome da perna cansada são também comuns. Pesquisas têm mostrado que uma ruptura do sono profundo altera muitas funções crucieis do organismo, como a percepção da dor.

Sintomas do sistema nervoso

Mudanças no humor e na maneira de pensar são comuns na fibromialgia . Muitos indivíduos sentem - se desanimadas, embora apenas 25% estejam verdadeiramente deprimido. Algumas pessoas também manifestam ansiedade. Por esse motivo existem pesquisadores que pensam poder haver relação entre fibromialgia e algumas formas de depressão e de ansiedades crônicas. É importante lembrar que pessoas com outras doenças crônicas que não é a fibromialgia também podem sentir depressão quando enfrentam dificuldades para amenizar seus sintomas.
Pessoas com fibromialgia podem referir diminuição na capacidade de se concentrar e de executar tarefas comuns. 


Postado em 30 de Julho de 2015 às 22h19

Estenose de Coluna

Doenças (14)
Centro de Coluna Chapecó/SC É um estreitamento do canal onde passa a medula e a cauda equina. Sintomas: Paciente relata dor cervical ou lombar por vários anos associado a um recente dessenvolvimento de dor em membros...

É um estreitamento do canal onde passa a medula e a cauda equina.

Sintomas: Paciente relata dor cervical ou lombar por vários anos associado
a um recente dessenvolvimento de dor em membros inferiores ou
superiores, dormência, fraquesa e cãimbras.

Os sintomas, de dor, podem envolver um ou ambos os membros
ou áreas diferentes dos mesmos.

- após caminhar poucas quadras o paciente sente os membros
cansados, necessitando parar por alguns minutos e daí reiniciar
a marcha.
- queixas de dores noturna, na cama, que podem se aliviadas ao
caminhar alguns minutos.
- sensação de membros frios.
- sensação que os membros são de borracha.
- a força dos mesmos podem estar diferente.

Diagnóstico: Usamos o raio x simples, mielografia, tomografia ou ressonância nuclear magnética.

Tratamento: Depende da quantidade de vértebras envolvidas, da magnitude da dor e da condição
geral do paciente.

1-Tratamento conservador:
-medicação anti-inflamatória
-fisioterapia
-programas educacionais para a coluna
-corticoterapia epidural
-coletes

2-Tratamento cirúrgico
-descompressão do canal vertebral com ou sem estabilização metálica, dependendo
se a coluna é instável ou não.


Postado em 30 de Julho de 2015 às 22h17

Espondilolistese ( Coluna fora do lugar)

Doenças (14)
Centro de Coluna Chapecó/SC Espondilolistese é um escorregamento anterior, para frente, de uma vértebra sobre a outra. Normalmente, isto ocorre ao nível da quinta vértebra lombar com a primeira do osso sacro ou entre...

Espondilolistese é um escorregamento anterior, para frente, de uma vértebra sobre a outra. Normalmente, isto ocorre ao nível da quinta vértebra lombar com a primeira do osso sacro ou entre a quarta vértebra lombar sobre a quinta. Isto pode se devido a defeito de desenvolvimento ou uma fratura por fadiga em certas áreas da vértebra. Este problema ocorre em mais ou menos 5% da população.

Causas: Pode ser hereditário, traumático ou degenerativo.

Sintomas: Dor nas costas, dor em membros ou ambos.

Tratamento: Depende do grau de escorregamento e da severidade dos sinto-
mas.

repouso
-colete
-exercícios
-medicamentos

Cirurgia poderá ser indicada se:

-não responder ao tratamento conservador
-escorregamento progressivo
-fraqueza muscular e distúrbio de bexiga e intestino
-grande escorregamento

Objetivo da cirurgia: Prevenir danos neurológicos, diminuir ou
eliminar a dor lombar e dor em membros e evitar grandes defor-
midades.


Postado em 30 de Julho de 2015 às 22h16

Escoliose ( Coluna torta, coluna fora do lugar, desvio de coluna)

Doenças (14)
Centro de Coluna Chapecó/SC INTRODUÇÃO É uma curvatura anormal da coluna vertebral. Cerca de 2 a 3 em cada 100 adultos jovens desenvolvem alguma forma anormal de curvatura. Felizmente somente a minoria...

INTRODUÇÃO

É uma curvatura anormal da coluna vertebral. Cerca de 2 a 3 em cada 100 adultos jovens desenvolvem alguma forma anormal de curvatura. Felizmente somente a minoria necessitarão de tratamento especial. Devemos cuidar da curvatura , principalmente, no período de grande crescimento onde ela pode aumentar com maior rapidez. A chave para controlar a escoliose é detectá-la no seu início. Tratando precocemente podemos evitar, em muitos casos a cirurgia. A escoliose não pode ser prevenida e não deve ser confundida com má postura.

O QUE É ESCOLIOSE?

Quando observamos uma pessoa de costas sua coluna deverá ser reta. Neste plano podemos encontrar vários tipos e graus de desvios que são chamados de escoliose. O tipo mais comum são a que tem a forma de um S.

CAUSAS DA ESCOLIOSE?

O tipo mais comum é a de causa desconhecida. Ocorre , principalmente, na idade entre 10 e15 anos, quando a coluna cresce rapidamente. A escoliose moderada aparece , em igual proporção , entre homens e mulheres. A progressão é maior no sexo feminino. Na maioria das vezes não há necessidade de fazer cirurgia. Em geral quanto maior a curvatura maior a possibilidade de progressão.

SINAIS E SINTOMAS

• Problemas com as roupas.
• Ombros desnivelados.
• Um lado do tórax está mais proeminente que o outro.
• Costelas elevadas em um lado.
• Quadril desnivelado.

TESTES PARA DETECTAR ESCOLIOSE

Em países do primeiro mundo é realizado no colégio. Uma vez detectado a escoliose o especialista de coluna deverá ver o paciente de 4 em 4 ou de 6 em 6 meses para ver se houve ou não progressão do quadro. Felizmente a grande maioria das curvas não progridem

COMO A CURVA É MEDIDA

O exame usado, para medir a curvatura, é o raio x. Através deste medimos o ângulo e a rotação vertebral. Sabe-se que curvaturas pequenas entre 10 e 20 graus não há necessidade de tratamento podendo levar uma vida normal. Se a curva evoluir além de 25 graus e sua coluna estiver ainda crescendo, um colete será recomendado. Uma vez o crescimento cessado o colete perde o seu efeito. A cirurgia é recomendada para curvas maior que 40-50 graus.

TRATAMENTO

Depende muito da maturidade óssea. A maioria das meninas param de crescer com 14 anos( meninos com 16-18anos). O crescimento ósseo é monitorado com o raio x. O tratamento será baseado levando em conta o grau da curvatura e a idade óssea.
Muitos adolescentes deverão consultar a cada 4-6 meses durante seu período de crescimento ativo. Alcançando a maturidade esquelética não significa que a escoliose pare de aumentar .É recomendado manter o corpo sempre em boa forma.

EXERCÍCIO

Exercício é muito bom para manter a forma e não para corrigir curvaturas da escoliose.

COLETE

É recomendado quando a curvatura for maior que 25 graus e não aconselhado em escoliose severa. Há vários tipos de coletes para serem selecionados. A função do colete é de segurar sua coluna na posição melhor possível e evitar que a curvatura aumente.

CIRURGIA

Nos casos de curvaturas maior que 40-50 graus.


Postado em 30 de Julho de 2015 às 22h15

Envelhecimento do Disco Vertebral ( Bico de papagaio, desgaste da coluna, artrose)

Doenças (14)
Centro de Coluna Chapecó/SC Em nossa coluna vertebral encontramos 33 vértebras e 23 discos. O disco é aquela estrutura encontrada entre 2 vértebras e sua função principal é de amortecedor e tornar a...

Em nossa coluna vertebral encontramos 33 vértebras e 23 discos. O disco é aquela estrutura encontrada entre 2 vértebras e sua função principal é de amortecedor e tornar a coluna vertebral flexível. Ele é constituído de uma parte externa chamado de anel fibroso e uma central, gelatinosa, que é o núcleo pulposo.
Doença degenerativa é uma condição de enfraquecimento e ruptura em nossos discos. É uma deterioração ou alteração na conscistência do mesmo. Sua localização mais comum é na coluna lombar seguido da cervical que é no pescoço. Pode ocorrer em qualquer área da coluna. Esta doença é diagnosticada com raio X.

CAUSAS: Na maioria da vezes é um processo normal de envelhecimento, hérnia de disco e traumas do mesmo.

SINTOMAS: Dor, na área envolvida da coluna e alterações da sensibilidade e motricidade de membros superiores e inferiores.

TRATAMENTO:

1-Medicamentoso
2-Fisioterapia
3-Repouso
4-Coletes
5-Infiltrações
6-Denervação facetária
7-Corticoterapia epidural
8-Apoio psicológico
9-Medicina alternativa
10-Cirurgia


Postado em 30 de Julho de 2015 às 22h13

Lombalgia e Lombociatalgia ( Dor lombar, dor nas costas,dor no ciático).

Doenças (14)
Centro de Coluna Chapecó/SC São dores sentidos na região lombar e membros, região das costas situada acima das nádegas e que ocupa aproximadamente o terço final da coluna vertebral, podendo irradiar-se para as...

São dores sentidos na região lombar e membros, região das costas situada acima das nádegas e que ocupa aproximadamente o terço final da coluna vertebral, podendo irradiar-se para as nádegas, coxas e pernas. É uma hérnia discal (núcleo do disco extruido) essa hérnia fica comprimindo o nervo ciático onde muitas vezes a pessoa pode perder as forças das pernas.
A lombalgia em alguns casos é composta da inflamação dos nervos, músculos cápsula e ligamentos da coluna.
Quem mais sofre com a lombalgia são as mulheres pois atinge cerca de 70%, é mais freqüente na gestação permanecendo até seis meses pós-parto.
Deve-se pesquisar a localização e a freqüência da dor, o tempo de queixa da dor e os fatores de melhora e piora. Analisa-se o paciente notando alterações na lordose lombar, procurando através da palpação por pontos dolorosos na musculatura paravertebral.

SINAIS E SINTOMAS

A intensidade da dor lombar varia muito, pode ser uma dor leve e incômoda; ou uma dor intensa e incapacitante que impede a realização de trabalhos domésticos e profissionais. A dor é localizada na parte inferior das costas, podendo ou não irradiar-se para a parte superior pescoço, coxas ou até para o abdômen.
Quando a dor lombar associar-se à dor irradiada para a coxa e para as pernas, indica uma possível compressão radicular (o nervo é comprimido) a causa mais frequente da compressão é a hérnia de disco, relacionada á traumatismos que ocorrem durante a vida. Os tumores da coluna também se manifestam com dores desse tipo. As dores lombares são consideradas agudas quando persistem por até sete dias, sub agudas que persistem de sete dias a três meses e crônicas com sintomas acima de três meses.

DIAGNÓSTICO

Em todas as situações de Lombalgia, existe a necessidade de exames minuciosos para se fazer um diagnóstico correto para diferenciar os quadros da lombalgia aguda não complicada daqueles que podem suspeitar de doenças de base, como tumores, infecções, fratura, entre outros vários exames complementares pode ser utilizado para definir o diagnóstico, como: radiografia simples da coluna vertebral, exames de sangue, tomografia da coluna vertebral, ressonância magnética da coluna vertebral, eletroneuromiografia de membros inferiores, desintometria óssea.

TRATAMENTO

O médico deve ser especialista na coluna vertebral, durante a crise de lombalgia o paciente é afastado do trabalho por três dias e em casos mais graves repouso absoluto.
A termoterapia contribui para o alívio da dor na fase aguda. Massagens na região lombar não tem comprovação científica de melhoras.
Durante a crise o uso de antiinflamatório não hormonal é indicado e possibilita o efeito analgésico, usado moderadamente pois existem efeitos colaterais graves relacionados ao sistema gastrointestinal, plaquetório e aparelho urinário, precisando usar medicamentos para proteger o aparelho gástrico.
O uso de coletes específicos melhora a postura e trás conforto. A indicação de cirurgia é rara, somente em casos que precise fazer a descompressão de tecido neural.

PREVENÇÃO

-Maneira de levantar pesos;
-Postura em dirigir corretamente
-A melhor maneira ou posição de dormir;
-No lar em trabalhos domésticos;
-Benefícios da massagem;
-Exercícios e pausa durante o trabalho.


Postado em 30 de Julho de 2015 às 22h11

Ler ou Dort

Doenças (14)
Centro de Coluna Chapecó/SC Lesão por Esforço Repetitivo Distúrbio Osteomuscular Relacionada ao Trabalho É o nome dado ou afecções do aparelho locomotor, são lesões causadas por...

Lesão por Esforço Repetitivo
Distúrbio Osteomuscular Relacionada ao Trabalho

É o nome dado ou afecções do aparelho locomotor, são lesões causadas por esforços repetitivos. São produzidas por um conjunto de situações que dependem da organização do trabalho (causa externas) e das condições físicas e emocionais das pessoas (causas internas), relacionadas com o tipo de personalidade e de estrutura física de cada um. Somente quando ambos os fatores externos e internos se juntam é que o risco de Ler aumenta
A Ler provoca muita dor por que são acompanhadas por inflamações que se localizam nos tendões, nos músculos e nervos do pescoço, das costas, dos ombros, dos braços, punhos e mãos e postura incorretas.
A desconfiança, aliás continua ficando aos patrões até hoje, pois a DORT ou LER, apesar de poder levar a invalidez não deixa marcas visíveis aos olhos alheios.
A LER não atinge apenas digitadores, os caixas de banco e os trabalhadores das linhas de montagem, ela existe entre artistas (músicos, bailarinos, pintores), atletas (vôlei, tênis, natação), entre os profissionais liberais (dentistas e arquitetos) e principalmente na Enfermagem onde deve ser usada a técnica correta para evitá-la.
Todos temos um limite de capacidade para suportar os esforços físicos e as ameaças da vida, geralmente às ultrapassamos.

SINAIS E SINTOMAS

O primeiro sinal é dor, muita dor que pode ser localizada em regiões como punhos, ombros e costas, ou também latejar em pontos distantes do seu local de origem. Existem trabalhadores com alterações tendíneas (tendinite inflamação de tendões e das fixações musculares dos tendões) ou sinovites ( inflamação de uma membrana sinovial, um pequeno saco cheio de sinovia uma espécie de líquido que se situa entre duas partes que se movem uma sobre a outra para evitar calcificações) bem evidentes com a realização de esforços repetitivos ou com trabalho em postura inadequada. Outros trabalhadores desenvolvem quadros clínicos dolorosos dos membros superiores e que não apresentam os sinais objetivos da presença da afecção (tendinite, sinovite ou compressão nervosa). Além da dor, portadores de LER queixam-se de parestesias (ardência, formigamento, alfinetadas), dores irradiadas, edema, rigidez e limitação dos movimentos pela dor e até mesma perda total dos movimentos. Pode ocorrer também sintomas gerais associados como ansiedade, irritabilidade, alterações do humor e do sono, fadiga crônica e cefaléia tensional.

EVOLUÇÃO DOS SINTOMAS

1- Sensação de desconforto, dor leve.
Melhora com repouso.
2- Dor persistente e localizada.
Redução da produtividade, irradiação da dor.
3- Dor intensa e localizada.
Repouso só atenua a intensidade da dor, há perda da força muscular podendo haver
Edema local.
4- Dor intensa e continua.
Edema persistente, impossibilidade de um trabalho produtivo regular.

TIPOS DE LER

-Tenossinovite - inflamação dos tecidos que revestem os tendões.
- Tendinite - inflamação dos tendões.
- Epicondilite - inflamação das estruturas do cotovelo.
- Bursite - inflamação das bursas ( pequenas bolsas que se situam entre os ossos e os tendões das articulações do ombro)
- Miosites - inflamação dos músculos.
- Síndrome do túnel do Carpo - compressão do nervo mediano ao nível do punho.
- Síndrome Cervicobraquial - compressão dos nervos em coluna cervical.
- Síndrome do Desfiladeiro Torácico - compressão do plexo (nervos e vasos).
- Síndrome do Ombro Doloroso – compressão de nervos e vasos em regiões do ombro.

TRATAMENTO DA LER OU DORT

O afastamento do trabalho é a medida mais importante e obrigatória para o tratamento, afastando assim o trabalhador dos fatores de riscos. São utilizados medidas como a imobilização do membro afetado, medicamentos contra a dor, antiinflamatório e a cirurgia em casos especiais.
Se for diagnosticada no início da apresentação dos sintomas, e o trabalhador receber o tratamento adequado poderá ser controlada. Pelo contrário poderá evoluir para formas crônicas com dor e incapacitação permanente. Podendo reaparecer se o trabalhador retornar as atividades que a geraram. Não existem regras específicas no tratamento, cada caso é um caso.

FATORES PREDISPONENTES

- Uso repetitivo de grupos musculares

- Uso forçado de grupos musculares;

- Manutenção de postura inadequada;

Relacionadas ao trabalho:

-Ausência de pausas;
-Exigência de produção;
-Excesso de horas trabalhadas;
-Concentração do uso de força e trabalhos repetitivos e monótonos;
-Mobiliário e equipamentos inadequado (mesa, cadeiras, máquinas de autenticação);
-Condições ambientais impróprias (iluminação, temperatura, ruído, vibrações, etc.);

Ligadas às características individuais:


- Pré-disposição a essas lesões;
- Vícios posturais;
- Doenças pré-existentes;

Psicológicos:


-Stress
-Ansiedade
-Depressão
-Conflitos de relacionamento
-Conversão de aspectos psicológicos em fisiológicos.


PREVENÇÃO


Para prevenir a LER é preciso mudar a forma de como o trabalho é estruturado. Devendo-se evitar a monotonia, repetitividade, stress, sobre-carga de certos grupos musculares e postura inadequada.
Os trabalhadores devem ter algumas conquistas em seu trabalho para poderem evitar a LER como:
- Controle de ritmo de trabalho pelos trabalhadores que o executam;
- Enriquecimento das tarefas, não permitindo a fragmentação do trabalho;
- Eliminação das horas extras;
- Aumento do número de pausas durante a jornada de trabalho, para que os músculos e tendões descansem, e se diminua o stress;
- Adequação do posto de trabalho, evitando a adoção de posturas corporais incorretas. O mobiliário (cadeiras, mesas, painéis fixos, entre outros) devem ser ajustados às características físicas dos trabalhadores;
- Vigilância da saúde dos trabalhadores, com realização semestral de exames médicos, voltados para aspectos clínicos e osteo-articulares (que afetem ossos e articulações).
- Ginástica laboral.
- Rodízio de trabalho


Postado em 30 de Julho de 2015 às 22h08

Cifose Juvenil

Doenças (14)
Centro de Coluna Chapecó/SC Cifose é definida como um arqueamento, além dos limites normais, da coluna vertebral. Quando a curva da coluna torácica é muito aumentada e há alterações estruturais...

Cifose é definida como um arqueamento, além dos limites normais, da coluna vertebral.
Quando a curva da coluna torácica é muito aumentada e há alterações estruturais na vértebra, podemos
dizer que a pessoa é portadora de dorso curvo.

Causa:
Desconhecida

Sinais e sintomas:
Dor nas costas
Deformidade da coluna

Tratamento:
É determinado pela idade do paciente e grau da deformidade
e sintomas. Alguns precisam exercícios, outros
um colete e raramente é indicado cirurgia.